Notícias da Diocese Notícias da Paróquia

Diocese divulga orientações litúrgicas para o Setenário das Dores e Semana Santa

Na manhã desta sexta-feira, 27, Dom José Eudes Campos do Nascimento, juntamento com o Vigário Geral, padre Geraldo Magela, disponibilizaram para a Diocese de São João del-Rei as orientações litúrgicas para o Setenário das Dores e Semana Santa neste período de pandemia, quando a programação das paróquias sofre alterações diante da prevenção contra o Coronavírus, Covid-19. Veja:

ORIENTAÇÕES LITÚRGICAS PARA O SETENÁRIO DAS DORES E SEMANA SANTA

“Por isso, celebremos a festa, não com fermento velho,
nem com o fermento do maligno e da corrupção, mas com os pães
sem fermento da sinceridade e da verdade” (1 Cor 5, 8)

A todos os Sacerdotes, Diáconos, Religiosos (as) e Leigos (as) da Diocese de São João del-Rei, Paz e Bênção em Nosso Senhor Jesus Cristo!

Considerando as orientações emanadas recentemente da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, as sugestões apresentadas pela Comissão Episcopal de Liturgia da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e mediante o compromisso cristão de promovermos a vida como Dom de Deus e Compromisso de todos e ainda observando a prática do isolamento social na prevenção ao contágio do Covid-19 (Coronavírus) apresentamos as seguintes orientações.

1)- CELEBRAÇÃO DA PALAVRA EM FAMÍLIA
Conclamamos as famílias, Igreja Doméstica, a se reunirem em torno da Palavra de Deus, especialmente nesse tempo em que não é possível a participação presencial nas celebrações litúrgicas. Assim, recomendamos o uso dos subsídios “Celebrar em Família o Dia do Senhor”, elaborados pela Comissão de Liturgia da CNBB e que podem, gratuitamente, ser baixados no site da CNBB (www.cnbb.org.br).

2)- CONFISSÕES
A respeito da prática da confissão sacramental (Cân. 989) em vista do cumprimento do preceito pascal (Cân. 920) recordamos a palavra do Papa Francisco:
“Eu sei que muitos de vocês se confessam para a Páscoa a fim de se reconciliar com Deus. Mas muitos me dirão hoje: ‘Mas, padre, onde posso encontrar um sacerdote, um confessor? Não se pode sair de casa! E eu quero fazer as pazes com o Senhor, quero que Ele me abrace, que o meu Pai me abrace. O que posso fazer se não encontro um sacerdote?’ Você faz o que diz o Catecismo (…) É muito claro: se você não encontra um sacerdote para se confessar, fale com Deus, ele é seu Pai. Diga-lhe a verdade: ‘Senhor, eu fiz isso e aquilo. Perdoa-me’. Peça-lhe perdão de todo o coração, com o Ato de Contrição e prometa-lhe: ‘Depois, eu vou me confessar, mas perdoa-me agora’. E logo você retornará à graça de Deus.” (Homilia em Santa Marta, 20/3/2020).

3)- SETENÁRIO DAS DORES DE NOSSA SENHORA
Recomenda-se celebrar com simplicidade e beleza na Igreja Catedral e nas Matrizes, sem a participação do povo. Que os atos sejam transmitidos pelas mídias sociais.
Sugerimos a cada família fixar uma cruz na porta da sua casa durante todo o Setenário e Semana Santa como sinal de nossa fé e comunhão eclesial.

4)- SEMANA SANTA

Domingo de Ramos
Os presbíteros deverão celebrar a Missa, sem povo, e poderão proceder a Bênção dos Ramos antes do ato penitencial. Que se faça a transmissão pelas redes sociais. No momento da Bênção dos Ramos cada fiel, em sua casa, segure seu ramo para ser abençoado.

Segunda, Terça e Quarta-feira Santas
Através das redes sociais, além das Missas poderá ser transmitido um momento de oração e reflexão sobre os Passos do Senhor, as Dores de Nossa Senhora, o Encontro de Jesus com sua Mãe ou mesmo a Via-Sacra.

Quinta-feira Santa
Missa do Crisma
Sendo esta Missa expressão da unidade da Igreja Particular, fica adiada. Oportunamente faremos a comunicação da nova data.

Missa da Ceia do Senhor
Seja celebrada a Missa da Ceia do Senhor na Igreja Catedral e Matrizes, sem a participação dos fiéis, servindo-se das transmissões pelas redes sociais.
O rito do lava-pés seja omitido.
No término da Missa da Ceia do Senhor omite-se a procissão. O Santíssimo Sacramento seja conservado no sacrário e se faça um tempo de vigília.
Na Quinta-Feira Santa, concede-se, a título excepcional, a todos os sacerdotes a faculdade de celebrar neste dia, em lugar adequado, a Missa sem o povo.
Os sacerdotes que não tenham a possibilidade de celebrar a Missa, em vez dela rezarão as Vésperas.

Sexta-Feira Santa
Na Igreja Catedral e Matrizes seja celebrada a Ação Litúrgica, a Paixão do Senhor.
No momento da Adoração da Cruz, o tempo seja suficiente para um momento de adoração, sem o beijo da cruz, talvez o tempo de um canto como os Lamentos do Senhor ou outro.
Na Oração Universal, conforme decreto da Congregação para o Culto Divino e redação da Comissão de Liturgia da CNBB deve-se acrescentar a seguinte oração a ser inserida antes da décima, tornando-se assim a penúltima, pois a última rezará “por todos os que sofrem provações”:

X -PELOS QUE PADECEM A PANDEMIA DO COVID-19
“Oremos ao Deus da vida, salvação do seu povo,
para que sejam consolados os que sofrem com a doença e a morte,
provocadas pela pandemia do novo coronavírus;
fortalecidos os que heroicamente têm cuidado dos enfermos;
e inspirados os que se
dedicam à pesquisa de uma vacina eficaz”.

(Reza-se em silêncio. Depois o sacerdote diz ou canta):

Ó Deus, nosso refúgio nas dificuldades, força na fraqueza e consolo nas lágrimas,
compadecei-vos do vosso povo que padece sob a pandemia,
para que encontre finalmente alívio na vossa misericórdia.
Por Cristo, nosso Senhor.
R. Amém

À hora da Procissão do Enterro pode-se rezar a Via-Sacra e fazer uma breve meditação.

Sábado Santo
Vigília Pascal
Seja celebrada apenas na Igreja Catedral e nas Matrizes, num tempo mais curto, do seguinte modo:
– acende-se o círio pascal junto ao presbitério, apresenta-se a Luz de Cristo e, omitindo-se a procissão, segue-se o Precônio Pascal (Exsultet). Poderão os fiéis acender em casa a sua vela;
– segue-se a Liturgia da Palavra, com a proclamação de apenas duas leituras do Antigo Testamento, não omitindo a Leitura do livro do Êxodo (14,15-15,1), da Epístola e do Evangelho;
– para a Liturgia Batismal apenas se benze a água, sem a ladainha e se renovam as promessas batismais. Em casa, a família, pode apresentar a água para ser abençoada e aspergida sobre os membros da família;
– segue-se a Liturgia Eucarística.
Aqueles obrigados pelo Direito que não podem de modo nenhum unir-se à Vigília Pascal celebrada na igreja, rezem o Ofício de Leituras indicado para o Domingo de Páscoa.

Domingo da Ressurreição
O sacerdote celebre a Santa Missa sem a participação do povo.
Não se promova procissões com o Santíssimo Sacramento pela cidade, nem mesmo motorizadas.
Haja na Igreja a Bênção do Santíssimo Sacramento, nunca ao final da Missa, transmitida pelas redes sociais.
Sugerimos aos fiéis que celebrem juntos a refeição neste dia e coloquem um sinal de alegria à sua porta, como flores, ou toalhas à janela.

5)- NÚMERO DE FIÉIS NAS CELEBRAÇÕES
Recomendamos, mais uma vez, a obediência às autoridades sanitárias, reduzindo ao estritamente necessário o número de fiéis nas celebrações transmitidas pelas mídias.

Invocamos, fervorosamente, Nossa Senhora do Pilar, Padroeira da Diocese de São João del-Rei, implorando sua proteção e sua bênção maternal, e do Glorioso Mártir São Sebastião, protetor contra a peste, a fome e a guerra.

Dado e passado na Cúria Diocesana, aos 27 dias do mês de Março de 2020.

Dom José Eudes Campos do Nascimento
Bispo Diocesano

Pe. Geraldo Magela da Silva
Vigário Geral

Paróquia de Sant'Ana do Barroso
Criada por provisão episcopal de 17 de janeiro de 1884. Foi fundada por Antônio da Costa Nogueira em 1729.