Festa à Virgem do Carmo movimentou São João del-Rei

Segundo a tradição, no dia 16 de julho de 1251, São Simão Stock, superior dos Carmelitas, encontrava-se em profunda oração por seus religiosos perseguidos quando a Virgem Maria lhe apareceu com o hábito da Ordem na mão e entregou-lhe o escapulário, reforçando a devoção a Nossa Senhora do Carmo que se estenderia por vários lugares do mundo. Em São João del-Rei milhares de fiéis devem passar pela igreja histórica situada no centro da cidade. Celebrações de missas e transmissões ao vivo estão previstas na programação.

Na noite de quinta-feira, 15, após a novena solene, houve a emocionante coroação da Imagem de Nossa Senhora. O ato devocional foi conduzido pelos membros da Ordem Terceira de Nossa Senhora do Monte Carmelo. “Podem falar que é exagero nosso, mas não é. Para à Mãe, dedicamos tudo. Toda a nossa devoção, nossa manifestação de amor e carinho”, explica padre Geraldo Magela sobre as grandes manifestações devocionais à Virgem Maria.

“Mais uma vez estamos celebrando o Dia de nossa Senhora e celebrando de forma atípica por causa da pandemia. Ontem, na Coroação, foi mencionado as vítimas falecidas e, também, a nossa solidariedade, em destaque a memória do Padre Ramiro José Gregório, uma das vitimas que tanto trabalhou e apoiou essa devoção. Queremos nos unir a essa prece, aos profissionais da saúde e aos cuidados com a nossa vida e de nossos semelhantes”, pontua o bispo, Dom José Eudes.

SOBRE A DEVOÇÃO

A devoção à Nossa Senhora do Carmo tem origem no século XII, quando um grupo de eremitas começou a se formar no monte Carmelo, na Palestina, Terra Santa, iniciando um estilo de vida simples e pobre, ao lado da fonte de Elias, que se estendeu ao mundo todo.

A palavra Carmo corresponde ao monte do Carmo ou Monte Carmelo, em Israel, onde o profeta Elias se refugiou. A palavra Carmo ou carmelo significa jardim.

Segundo a iconografia popular, Nossa Senhora do Carmo aparece com os braços estendidos, oferecendo o escapulário. “Não é um amuleto, mas um sinal de salvação. Significa estar cobertos pela sua graça, pelos seus dons”, explica padre Antônio Claret.