Notícias da Diocese

Circular do bispo traz nomeações e transferências de padres na diocese

Na tarde desta quinta-feira, 30, o bispo diocesano de São João del-Rei, Dom José Eudes Campos do Nascimento, emitiu uma Circular informando algumas alterações na Diocese. No comunicado, o bispo falou da importância das transferências de padres e apresentou a lista com as mudanças. Confira:

Transferências de padres: algumas reflexões

Dentre as muitas competências do bispo diocesano está a de transferir padres, sendo, sem dúvidas, umas das mais complexas e delicadas tarefas do ofício. Mudanças sempre provocam apreensão, o novo apresenta certo estranhamento, nem sempre é fácil recomeçar. Entretanto, é uma tarefa importante e necessária à boa condução da Igreja Particular. Atentos ao clamor do Espírito Santo, que sopra onde quer (cf. Jo 3,8) e que conduz a Igreja sentimos a necessidade de mudanças, ainda que difíceis. Nesse sentido, proponho alguns pontos de reflexão:

1. Por que transferir?

As transferências de padres não são atitudes isoladas ou sem sentido. São decisões tomadas após várias fases de amadurecimento e reflexão. O bispo, ao propor mudanças, o faz depois de ouvir os padres, conselhos e após oração e reflexão pessoal. A decisão de transferir visa o bem da Igreja e a renovação da Comunidade.

2. Como reagir?

Por mais difícil que seja aceitar a novidade, o presbítero deve ter em seu horizonte vocacional o apelo missionário, sendo aberto a novos rumos e novos trabalhos. Posturas de abertura e docilidade tornam as mudanças mais aprazíveis e fáceis, ajudando tanto o padre quanto a comunidade na adaptação das novas realidades.

3. E a comunidade, como fica?

Não raramente, a comunidade paroquial estranha a mudança, por se mostrar satisfeita com o trabalho do padre ou por empatia com o mesmo. Isso é um sinal positivo, pois avalia bem o trabalho até então desempenhado. No entanto, existem necessidades outras que devem ser consideradas. A comunidade deve ser preparada para essa realidade. Se o padre fez muito, foi bom, conquistou o povo, ele pode também prestar esse serviço a outras comunidades. Ao mesmo tempo, seu substituto saberá reconhecer esse trabalho e empenhar seus próprios talentos para o bem do povo de Deus. É bom que a comunidade não se sinta lesada, mas saiba que não será, de maneira alguma, desamparada.

4. Quais são os benefícios das transferências?

O processo de mudança é muito salutar, para ambas as partes. Para o padre é uma oportunidade de recomeço, de se reinventar no ministério. É ocasião de grande renovação de ânimo e de se conhecer novas realidades. A permanência prolongada de uma única paróquia acaba por reduzir as perspectivas pastorais do sacerdote e, por vezes, provocando nele certo desânimo. Para a comunidade é o momento fértil de receber e conhecer outro pastor, que certamente trará consigo muita vontade de evangelizar. A paróquia também se renova com um novo padre, mesmo que o anterior tenha sido muito bom. A comunidade experimenta, com as mudanças, oportunidade de rever a caminhada e de se abrir a novos projetos e novas experiências. É a vivência do Evangelho, que nos ensina que a Igreja é de Cristo e é ele que faz novas todas as coisas (cf. Ap 21,5). É inegável que mudar exige sacrifícios e renúncias. Mas também é inegável que traz benefícios incontáveis.

5. Serei transferido: e agora?

Diante da possibilidade da mudança o padre deve manifestar obediência e sentimento de comunhão eclesial. Foi para a Igreja que foi ordenado. É preciso sensibilidade para aceitar a mudança e responsabilidade para lidar com transição. Expor motivos reservados, pessoas, culpar o Bispo, tudo isso só dificulta mais as coisas, criando clima ruim e inseguro para quem vai começar um trabalho. A abertura de coração e a cooperação com as necessidades da Igreja serão, certamente, caminhos seguros para o recomeçar. Pode ser que seja um momento difícil, mas com alguns ajustes, acertos e erros o trabalho será bem sucedido. O importante é receber de coração aberto as novas funções que a Igreja lhe atribui.

Enfim, o Evangelho é uma “boa-nova”, algo de bom que se apresenta sempre novo e atual. E nós, os pastores do povo, temos que ser tão bem esclarecidos como aquele pai que sabe retirar de seu tesouro coisas novas e velhas (cf. Mt 13,52). Somos capazes disso. Podemos recomeçar a partir de Cristo e colaborar efetivamente na construção do Reino, em qualquer lugar em que estejamos. Que as mudanças todas a que somos sujeitos nos capacite cada vez mais em prol da construção do Reino de Deus.

NOMEAÇÕES E TRANSFERÊNCIAS

Depois de ouvir o Conselho Presbiteral, na reunião do dia 30 de junho o Senhor Bispo Dom José Eudes Campos do Nascimento nomeou:

• Pe. Fábio José Damasceno, Pároco da Paróquia Nossa Senhora de Nazaré, em Nazareno.

• Pe. João Rodrigues de Paula, Pároco da Paróquia Nossa Senhora das Dores, em Dores de Campos.

• Pe. Claudir Possa Trindade, Pároco da Paróquia Sant’Ana, em Barroso.

• Pe. Pedro de Jesus Wiermann, Pároco da Paróquia Nossa Senhora do Rosário de Fátima, em Barroso.

• Pe. Samuel Carvalho Detomi, Administrador Paroquial da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, em Lavras.

• Pe. José Walter S.de Carvalho, Pároco da Paroquia do Sagrado Coração de Jesus, em Minduri e Ecônomo da Diocese.

• Pe. Antão Roberto de Melo, Pároco da Paróquia de São Vicente Férrer, em São Vicente de Minas.

• Pe. Rondineli Cristino, Pároco da Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Prados.

• Pe. Marcos Alexandre Pereira, Pároco da Paróquia São Judas Tadeu, em São João del-Rei.

• Pe. Álisson André Sacramento, Pároco da Paróquia Santo Antônio, em Tiradentes.

• Pe. Neidir Antônio Nogueira Vale, Pároco da Paróquia São Sebastião, em Lavras.

• Pe. Clayton Nogueira, Pároco da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em Lavras.

• Pe. Paulo Marcelo Daher Gomes Filho, Pároco da Paróquia Santo Antônio, em Lagoa Dourada.

• Pe. Ademir Sebastião Longatti, Capelão da Santa Casa de Misericórdia, em São João del -Rei.

• Pe. Javé Domingos da Silva, Reitor do Seminário São Tiago/ Teologia e Filosofia, e Vigário Paroquial da Paróquia da Catedral Basílica de N.S.do Pilar.

• Pe. Victor Bertulino da Silva, Pároco da Paróquia São José, em Itumirim

• Pe. José Roberto Vale Silva, Pároco da Paróquia Santo Antônio, em Itutinga.

• Pe. Bolivar Vieira de Resende, Paróquia São Sebastião, em Santa Cruz de Minas.

• Pe. Geraldo Magela da Silva, Vigário Geral

Peço a oração de todos pela nossa Diocese. Que Nossa Senhora do Pilar, nos abençoe hoje e sempre.

Recebam as minhas bênçãos.

Dom José Eudes Campos do Nascimento

Bispo Diocesano

Paróquia de Sant'Ana do Barroso
Criada por provisão episcopal de 17 de janeiro de 1884. Foi fundada por Antônio da Costa Nogueira em 1729.