Igreja no Mundo

O Papa no Angelus: o perdão de Cristo nos restitui nova luz

“O pecado é como um véu escuro que cobre o nosso rosto e nos impede de ver claramente nós mesmo e o mundo; o perdão do Senhor tira esse manto de sombra e de treva e nos restitui nova luz. Que a Quaresma que estamos vivendo seja tempo oportuno e precioso para aproximar-nos do Senhor, pedindo a sua misericórdia, nas várias formas que a Mãe Igreja nos propõe”, disse o Papa Francisco no Angelus este 22 de março, IV Domingo da Quaresma

Raimundo de Lima – Cidade do Vaticano

O Papa Francisco recitou a oração do Angelus ao meio-dia deste domingo (22/03), na Biblioteca do Palácio Apostólico, no Vaticano, neste período em que a Praça São Pedro se encontra fechada, medida adotada no âmbito das restrições feitas para evitar aglomerações de pessoas durante a pandemia do coronavírus.

Na alocução que precedeu a oração mariana, o Santo Padre ateve-se ao Evangelho deste IV Domingo da Quaresma, em que a Igreja celebra “Cristo, luz para as nossas trevas”. De fato, no centro desta liturgia dominical encontra-se o tema da luz.

Cristo, luz do mundo

O Evangelho (Jo 9,1-41) conta o episódio do homem cego de nascença, ao qual Jesus dá a vista. Este sinal milagroso é a confirmação da afirmação de Jesus que diz de si: “Eu sou a luz do mundo”,  a luz que ilumina as nossas trevas”, ressaltou o Pontífice.

Francisco observou que Jesus opera a iluminação em dois níveis: “um físico e um espiritual: o cego primeiro recebe a vista dos olhos e depois é levado à fé no ‘Filho do homem’, ou seja, em Jesus. Os prodígios que Ele realiza não são gestos espetaculares, mas têm a finalidade de levar à fé através de um caminho de transformação interior”.

Os fariseus e os doutores da lei se obstinam a não admitir o milagre, e dirigem perguntas insidiosas ao homem curado. Mas, acrescentou o Santo Padre, ele os desconcerta com a força da realidade: “uma coisa eu sei: era cego e agora vejo”.

A confissão de fé

Em meio à indiferença e a hostilidade daqueles que o circundam e o interrogam incrédulos, ele realiza um itinerário que o leva gradualmente a descobrir a identidade d’Aquele que lhe abriu os olhos e a confessar a fé n’Ele.

“Primeiro o considera um profeta; depois o reconhece como alguém que vem de Deus; por fim, o acolhe como o Messias e se prostra diante d’Ele. Entendeu que tendo lhe dado a vista Jesus ‘manifestou as obras de Deus’.”

“Que também nós possamos fazer essa experiência!”, exortou o Papa. Com a luz da fé aquele que era cego descobre a sua nova identidade. Ele já é uma “nova criatura”, capaz de ver numa nova luz a sua vida e o mundo que o circunda, porque entrou em comunhão com Cristo.

Percurso de libertação do pecado ao qual somos chamados

“Não é mais um mendicante marginalizado pela comunidade; não é mais escravo da cegueira e do preconceito. Seu caminho de iluminação é metáfora do percurso de libertação do pecado ao qual somos chamados”, afirmou o Pontífice.

“O pecado é como um véu escuro que cobre o nosso rosto e nos impede de ver claramente nós mesmo e o mundo; o perdão do Senhor tira esse manto de sombra e de treva e nos restitui nova luz. Que a Quaresma que estamos vivendo seja tempo oportuno e precioso para aproximar-nos do Senhor, pedindo a sua misericórdia, nas várias formas que a Mãe Igreja nos propõe.”

Não basta receber a luz, é preciso tornar-se luz

O cego curado, que vê tanto com os olhos do corpo quanto com os da alma, “é imagem de todo batizado, que imerso na Graça foi arrancado das trevas e colocado na luz da fé. Mas não basta receber a luz, é preciso tornar-se luz”, disse o Santo Padre, acrescentando que “cada um de nós é chamado a acolher a luz divina para manifestá-la com toda a própria vida”.

“A semente de vida nova colocada em nós no Batismo é como centelha de um fogo, que purifica sobretudo nós, queimando o mal que temos no coração, e nos permite brilhar e iluminar.”

“Que Maria Santíssima nos ajude a imitar o homem cego do Evangelho, de modo que possamos ser inundados pela luz de Cristo e trilhar com Ele no caminho da salvação”, disse ainda o Pontífice, concluindo a alocução que precedeu a oração mariana.

O Papa convida todos os cristãos a rezar juntos o Pai-Nosso na quarta-feira

Francisco convida os Chefes das Igrejas e os líderes de todas as Comunidades cristãs, junto a todos os cristãos das várias confissões, a invocar o Altíssimo, Deus Todo-Poderoso, recitando simultaneamente a oração que Jesus Nosso Senhor nos ensinou. “Queremos responder à pandemia do vírus com a universalidade da oração, da compaixão, da ternura”, afirma o Papa, que também na sexta-feira presidirá um momento de oração no patamar da Basílica Vaticana

Raimundo de Lima, Silvonei José – Cidade do Vaticano

Nestes dias de provação, enquanto a humanidade treme pela ameaça da pandemia, gostaria de propor a todos os cristãos unir suas vozes rumo ao Céu: disse o Pontífice na saudação após a oração mariana do Angelus, este domingo (22/03), recitada na Biblioteca do Palácio Apostólico – como tem feito excepcionalmente neste período, em tempos de coronavírus, sem fiéis na Praça São Pedro –, fazendo em seguida um forte convite para a próxima quarta-feira, 25 de março, solenidade da Anunciação do Senhor:

“Convido todos os Chefes das Igrejas e os líderes de todas as Comunidades cristãs, junto a todos os cristãos das várias confissões, a invocar o Altíssimo, Deus Todo-Poderoso, recitando simultaneamente a oração que Jesus Nosso Senhor nos ensinou. Portanto, convido todos a recitar o Pai-Nosso ao meio-dia da próxima quarta-feira, 25 de março. No dia em quem muitos cristãos recordam o anúncio da Encarnação do Verbo à Virgem Maria, que o Senhor possa ouvir a oração unânime de todos os seus discípulos que se preparam para celebrar a vitória de Cristo Ressuscitado.”

Na sexta-feira (27/03), o Papa preside um momento de oração

Em seguida, o Papa Francisco afirmou que com essa mesma intenção, na próxima sexta-feira, 27 de março, às 18h locais (14h no horário de Brasília), presidirá um momento de oração no patamar da Basílica de São Pedro, convidando todos, desde já, a participar espiritualmente através dos meios de comunicação.

Bênção Urbi et Orbi e Indulgência plenária

“Ouviremos a Palavra de Deus, elevaremos a nossa súplica, adoraremos o Santíssimo Sacramento, com o qual ao término darei a Bênção Urbi et Orbi (à cidade do Roma e ao mundo), à qual será acompanhada a possibilidade de receber a Indulgência plenária”, acrescentou, fazendo ainda uma premente exortação:

“Queremos responder à pandemia do vírus com a universalidade da oração, da compaixão, da ternura. Permaneçamos unidos. Façamos com que as pessoas mais sozinhas e em maiores provações sintam a nossa proximidade.”

Proximidade a todos

Central, então o chamado para permanecermos unidos:

A nossa proximidade aos médicos, aos profissionais da saúde, enfermeiros e enfermeiras, voluntários… A nossa proximidade às autoridades que devem tomar medidas duras, mas para o nosso bem. Nossa proximidade aos policiais, aos soldados, que nas ruas procuram manter sempre a ordem, que se realizem as coisas que o governo  pede para o bem de todos nós. Proximidade a todos.

Em conclusão, o Papa exorta a ler hoje, tranquilamente e lentamente, o capítulo 9 do Evangelho de João, como ele mesmo o fará: “Fará bem a todos nós”.  Estes fortes gestos propostos por Francisco na próxima semana, neste tempo particular de provação para toda a humanidade, contêm a exortação a enfrentar as adversidades unidos na oração e no amor, ainda que na distância física, como ele mesmo está fazendo também no cotidiano com a missa matinal da Casa Santa Marta, que há duas semanas vem sendo transmitida ao vivo.

A pandemia já infectou mais de 300 mil pessoas e matou 13 mil

Entretanto, em todo o mundo, a pandemia continua a se alastrar com mais de 300 mil infectados e mais de 13 mil mortos. Os Estados Unidos são o terceiro país em número de contágios com o coronavírus depois da China e Itália. E neste sábado, apenas na Itália, registrou-se um novo número recorde de mortes num só dia: 793, num total de 4.825. Esta é a crise mais difícil desde o pós-guerra, disse ontem o primeiro-ministro Conte anunciando novas medidas: a partir desta segunda-feira até 3 de abril fecharão também as atividades de produção não dispensáveis para bens e serviços essenciais.

Com informações do Vatican News

Paróquia de Sant'Ana do Barroso
Criada por provisão episcopal de 17 de janeiro de 1884. Foi fundada por Antônio da Costa Nogueira em 1729.