Igreja no Mundo

FRANCISCO NO REGINA COELI: O ESPÍRITO SANTO ILUMINA E SUSTENTA NOSSOS PASSOS

A observância dos mandamentos e a promessa do Espírito Santo”. O Papa Francisco colocou-as no centro da reflexão que precedeu a recitação da oração do Regina Coeli, também neste domingo, na Biblioteca do Palácio Apostólico.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

É o sexto domingo da Páscoa, o Evangelho de João fala no capítulo 14, 15-21 do amor de Deus. É um amor “gratuito” que Jesus quer que se torne também a “forma concreta de vida entre nós”, um amor que dá “ao coração do cristão” o Espírito Santo, para que Ele nos ajude a cumprir a Sua vontade.

O amor recíproco é o mandamento de Jesus

Aqui estão as duas mensagens fundamentais que a liturgia de hoje contém: “a observância dos mandamentos e a promessa do Espírito Santo”. O Papa Francisco colocou-as no centro da reflexão que precedeu a recitação da oração do Regina Coeli, também neste domingo, na Biblioteca do Palácio Apostólico:

Jesus nos pede para amá-lo, mas explica: esse amor não termina num desejo por Ele, ou num sentimento, não, requer a disponibilidade para seguir Seu caminho, ou seja, a vontade do Pai. E isto se resume no mandamento do amor recíproco, dado pelo próprio Jesus: “Como eu vos amei, assim também vos ameis uns aos outros” (Jo 13:34). Ele não disse: “Amai-me como eu vos amei”, mas “amai-vos uns aos outros como eu vos amei”. Ele nos ama sem nos pedir nada em troca, e quer que esse seu amor gratuito se torne a forma concreta da vida entre nós: essa é a sua vontade.

O Espírito Santo nos ajuda a permanecer no caminho de Jesus

“Se me amardes, guardareis os meus mandamentos; e eu rezarei ao Pai e Ele vos dará outro Paráclito”: nas palavras de João, há a promessa que Jesus faz, na sua despedida, aos discípulos para ajudá-los a caminhar na estrada do amor: promete não deixá-los sozinhos e enviar em Seu lugar um “Consolador”, um “Defensor” que infunde neles “inteligência para escutar” e “coragem para observar Suas palavras”. Este dom, que desce ao coração dos cristãos batizados, é o Espírito Santo:

O próprio Espírito os guia, os ilumina, os fortalece, para que cada um caminhe na vida, mesmo através das adversidades e dificuldades, nas alegrias e tristezas, permanecendo na estrada de Jesus. Isto é possível precisamente permanecendo dóceis ao Espírito Santo, para que, através de Sua presença operante, Ele possa não só consolar, mas transformar os corações, abrindo-os à verdade e ao amor.

A Palavra de Deus é vida

O Espírito Santo que consola, que transforma, que “nos ajuda a não sucumbir” diante da experiência do erro e do pecado que “todos nós fazemos”, que nos faz “viver plenamente” a Palavra de Deus que é “luz para os nossos passos” e “vida”:

A Palavra de Deus nos é dada como a Palavra de vida, que transforma, que renova, que não julga para condenar, mas cura e tem como finalidade o perdão. Uma Palavra que é luz para os nossos passos. E tudo isso é obra do Espírito Santo! Ele é o Dom de Deus, é o próprio Deus, que nos ajuda a sermos pessoas livres, pessoas que querem e sabem amar, pessoas que compreenderam que a vida é uma missão para proclamar as maravilhas que o Senhor realiza naqueles que confiam n’Ele.

A entrega final do Papa é à Virgem Maria, “modelo da Igreja que sabe escutar a Palavra de Deus e acolher o dom do Espírito Santo”: para que ela nos ajude, pede Francisco, a viver com alegria o Evangelho, sabendo que o Espírito Santo nos sustenta e nos guia.

Francisco celebra a Missa no centenário do nascimento de São João Paulo II

O Papa recordou quem alguns países as celebrações litúrgicas com os fiéis foram retomadas; em outros a possibilidade está sendo considerada; na Itália, a partir desta segunda-feira a missa será celebrada com o povo. Francisco recordou ainda que teve início a semana da Laudato si.

Silvonei José – Cidade do Vaticano

Depois de rezar a oração do Regina Coeli o Papa Francisco recordou que nesta segunda-feira comemora-se o centenário do nascimento de São João Paulo II, em Wadowice, Polônia. Recordamo-lo com muito carinho e gratidão disse.

“Amanhã de manhã, às 7 da manhã, celebrarei a Santa Missa, que será transmitida para todo o mundo, no altar onde repousam seus restos mortais. Do Céu ele continua a interceder pelo Povo de Deus e pela paz no mundo”.

Em alguns países as celebrações litúrgicas com os fiéis foram retomadas; em outros a possibilidade está sendo considerada; na Itália, a partir desta segunda-feira a missa será celebrada com o povo. Mas, por favor, – disse o Papa – continuemos com as normas, as prescrições que nos dão para proteger a saúde de cada um e do povo.

O Santo Padre recordou ainda que no mês de maio, é tradição em muitas paróquias celebrar as Missas da Primeira Comunhão. Claramente, por causa da pandemia, este belo momento de fé e celebração foi adiado. Francisco então enviou um pensamento afetuoso aos meninos e meninas que deveriam ter recebido a Eucaristia pela primeira vez.

“Caríssimos, convido vocês a viverem este tempo de espera como uma oportunidade para se prepararem melhor: rezando, lendo o livro do catecismo para aprofundar o conhecimento de Jesus, crescer na bondade e no serviço aos outros. Bom caminho”.

Francisco recordou ainda que teve início a semana da Laudato si, que terminará no próximo domingo, que comemora o quinto aniversário da publicação da Encíclica.

Nestes tempos de pandemia em que estamos mais conscientes da importância do cuidado da nossa casa comum, faço votos de que toda a nossa reflexão e compromisso comuns ajudem a criar e fortalecer atitudes construtivas para o cuidado da Criação.

Antes de se despedir de todos os fiéis Francisco assomou a janela do apartamento pontifício para abençoar mais uma vez os fiéis de Roma e do mundo inteiro.

Com informações do Vatican News

Paróquia de Sant'Ana do Barroso
Criada por provisão episcopal de 17 de janeiro de 1884. Foi fundada por Antônio da Costa Nogueira em 1729.