Igreja histórica de Belo Horizonte é tombada como patrimônio cultural

O templo foi tombado por “se tratar de edificação de relevante valor cultural e referência importante para a memória da cidade de Belo Horizonte”.

A Igreja de Santa Teresa e Santa Teresinha, localizada na Praça Duque de Caxias, em Belo Horizonte, Minas Gerais, foi tombada como patrimônio cultural da capital mineira, integrando ao Conjunto Urbano Bairro Santa Tereza.

Publicada no Diário Oficial do Município da última quarta-feira, 25, a medida é do Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município (CDPCM-BH) que determinou a inscrição do templo no Livro do Tombo Histórico.

Uma edificação de relevante valor cultural

De acordo com o dossiê que justifica a decisão, a igreja foi tombada por “se tratar de edificação de relevante valor cultural e referência importante para a memória da cidade de Belo Horizonte”.

O documento destaca ainda os significados sociais do templo, tanto no campo intelectual (por sua arquitetura e estilo), quanto pela identidade coletiva, memória e sentido de pertencimento. Além de ressaltar esta Igreja como um ícone identitário do bairro.

Preservação das características essenciais do bem tombado

Quando um bem é tombado, suas características essenciais são protegidas e preservadas por lei. A partir de agora, portanto, qualquer intervenção ao templo deverá ser pré-aprovada pelo Conselho e a igreja ficará sujeita às diretrizes de proteção do patrimônio determinadas por ele.

Com o objetivo de cooperar com a manutenção do patrimônio, o dossiê de tombamento da Igreja de Santa Teresa e Santa Teresinha apresenta uma série de medidas das quais se destacam a conservação, restauração e preservação dos revestimentos originais, elementos decorativos e bens integrados; elaboração de inventário dos bens móveis. (EPC)

Com informações da Gaudium Press